A- A A+
  • Centro Municipal de Educação Infantil Recanto dos Baixinhos

  • Centro Municipal de Educação Infantil Precioso Tesouro

  • Centro Municipal de Educação Infantil Mãezinha do Céu

  • Centro Municipal de Educação Infantil Profª. Barbara Machado de Oliveira

  • Centro Municipal de Educação Infantil Profª. Aracy Salinet Vieira

  • Centro Municipal de Educação Infantil Maria Cristina Alves Pereira Wosny

  • Centro Municipal de Educação Infantil Profª. Idalina Soares Sobreira

  • Centro Municipal de Educação Infantil Carinho Materno

  • Centro Municipal de Educação Infantil Cantinho Feliz

  • Centro Municipal de Educação Infantil Menino Deus

  • Centro Municipal de Educação Infantil Alberto Spiaci

  • Escola Municipal Sebastião Luiz de Oliveira

  • Escola Municipal M. H. Alencar C. Branco

  • Escola Municipal Rotary Club

  • Escola Municipal Carlos Augusto Guimarães

  • Escola Municipal Vera Lúcia Pansardi Casagrande

  • Escola Municipal Maria Inês Rodrigues de Mello

  • Escola Municipal Ivanildes Gonçalves Nalim

  • Escola Municipal Helena Hatsue Kakitani

  • Escola Municipal Galdina Ferreira Gonçalves

  • Escola Municipal Almerinda Felizetti Nascimento

  • Escola Municipal Alice Roma Bott Schmitt

  • Escola Municipal Aldivina Moreira de Paula

  • Escola Municipal Mário de Menezes

Educação

Educação Especial

CEMAAP

 

Centro Municipal de Avaliação e Acompanhamento Psicoeducacional

 

Ibiporã – PR

 

             Sabe-se que  a aprendizagem é um processo complexo, contínuo e permanente e tem dimensões cognitivas, sociais e biológicas que se envolvem na construção deste saber. São consideradas como funções cognitivas básicas neste processo a atenção, as percepções, a memória e a psicomotricidade.

          Algumas expressões como dificuldades, transtornos, distúrbios e problemas de aprendizagem são expressões  muito usadas para se referir as alterações que muitas crianças apresentam na aquisição de conhecimentos.

          Miklebust (1971) propõe que a classificação de cada criança se realize com base na “manifestação” mais evidente e que produz o maior impacto sobre a criança. Assim, para os portadores de de deficiência mental, é o atraso mental o maior responsável pelas dificuldades generalizadas para a aprendizagem acadêmica, motora e social. Para os portadores de deficiências sensoriais, evidencia-se cegueira e a surdez; para os portadores de deficiência física os distúrbios motores e psicomotores e para os portadores  de problemas de conduta, os transtornos emocionais. Todos esses constituem o alunado da Educação Especial, juntamente com os superdotados que não apresentam, necessariamente, dificuldade de aprendizagem.

          Há porém, um outro grupo de alunos com dificuldades para aprender sendo a deficiência na aprendizagem a mais evidente, apesar de adequadas inteligência, visão, audição, capacidade motora e equilíbrio emocional. Podem manifestar dificuldades motoras ou psicomotoras, de atenção, memorização, compreensão, desinteresse escassa participação e problemas de comportamento. Apesar desta constatação, não podemos inserir todos os que têm dificuldades para aprender num mesmo grupo e tratá-los como se fossem iguais.

          Visando atingir esses alunos (ensino fundamental 1ª a 4ª séries) o CEMAAP conta hoje no seu quadro de profissionais com uma psicóloga, uma pedagoga e uma psicopedagoga que após realizarem a avaliação, esses alunos poderão ser encaminhados para atendimento especializado em Sala de Recursos ou Classe Especial.

          O município conta atualmente com 08 salas de atendimento especializado sendo 06 Classes Especiais e 02 Salas de Recursos.

 

          CLASSE ESPECIAL:

          Entende-se por classe especial o conjunto de recursos, apoios, serviços educacionais especiais, organizados para apoiar, complementar, suplementar ou substituir os serviços educacionais de modo a garantir a educação escolar e desenvolver as potencialidades dos educandos que apresentam necessidades especiais, decidindo quanto ao ingresso ou reingresso do aluno no ensino regular. O aluno a ser encaminhado para essa sala receberá atendimento especializado conforme suas necessidades.

          O atendimento é realizado em grupos de no máximo 10 (dez) alunos por turma. O currículo adotado é o mesmo do Ensino Fundamental, com as devidas adaptações curriculares (metodologia, didática e conteúdos).

          O material escolar e didático deverá obedecer às especificações para cada nível de ensino, destinando-se ao desenvolvimento  das áreas cognitivas, sensório-motora, psicomotora, entre outras.

 

          SALA DE RECURSOS:

          É destinada  a alunos com dificuldades de aprendizagem e que não são portadores de deficiência  ou de problemas de conduta. Tem como finalidade facilitar a aprendizagem daqueles alunos , matriculados no ensino regular, que apresentam história de multirrepetência, analfabetismo ou defasagem de aprendizagem, ou necessitam de trabalho específico,relacionado aos processos cognitivos necessários ao desenvolvimento das atividades acadêmicas.

          O atendimento é individual ou em pequenos grupos de no máximo 10 (dez) alunos, de acordo com suas necessidades educacionais especiais, a faixa etária, programa a ser desenvolvido e nível de escolaridade.

          O material e equipamento utilizados devem ser os mais variados possíveis, sendo necessário recursos audivisuais, jogos, atividades lúdicas e diversificadas. NÃO  deve ser trabalhado como REFORÇO ESCOLAR.

          O funcionamento será em período contrário  à matrícula do ensino regular.

          Para que o aluno tenha acesso a esse atendimento é necessário que a escola enquanto Diretor, Coordenador e professor percebam as dificuldades  dos mesmos durante o processo de aprendizagem e solicitem ao CEMAAP a avaliação no intuito de verificar a real necessidade de encaminhamento para os referido atendimentos.

          Caso não seja diagnosticado nenhum comprometimento sugere-se então ao professor a alteração da prática pedagógica.

 

ORIENTAÇÕES PARA ENCAMINHAMENTO DE ALUNOS

  Encaminhar Anamnese preenchida através de entrevista com a mãe;

  Encaminhar a Solicitação de Observação de Alunos preenchida pela professora do aluno;

  Enfatizamos que TODOS os campos dos formulários de “Anamnese” e “Solicitação de Observação de Alunos” são importantes, por este motivo é imprescindível que TODOS os itens destes formulários venham preenchidos;

  É importante também que os formulários venham datados e assinados;

  No item “Rotina” da Anamnese, explorar bem com a família as 03 situações solicitadas, escrevendo da maneira mais detalhada possível cada uma delas;

  Os dados do histórico escolar devem ser os mais completos possíveis, constando: Escola, série, ano, motivo pelo qual reprovou (se houve reprova), e demais dados que forem considerados importantes. E, se em determinado ano o aluno estrava matriculado em uma série e frequentando outra, por favor fazer uma observação;

  Os dados das triagens auditiva e visual SÃO importantes e devem constar na solicitação, a escola que ainda não os recebeu dos centros responsáveis por esta avaliação, devem entrar em contato com os profissionais que realizaram as triagens e solicitar  o resultado para nos enviar. Quando houver o resultado do ano anterior, este pode ser enviado;

  Solicitamos que todas incluam junto aos documentos enviados ao setor um desenho , com tema livre e espontâneo realizado pelo aluno, atividades de rotina da sala de aula;

  NÃO enviem o caderno dos alunos nem avaliações bimestrais, este material é pessoal e não deve ser retirado de seu cotidiano;

  Em situações de escrita que não dá para entender o que o aluno quis escrever, o professor deverá ser escriba  do seu aluno – pedindo que ele leia, e escrever em baixo o que o aluno leu, para que possamos analisar previamente sua hipótese de escrita;

  Nas atividades enviadas com o material do aluno, escrever de forma clara e detalhada , quais foram as instruções, intervenções e auxílios que o aluno recebeu  e como realizou a atividade;

  Na situação de um re-encaminhamento de aluno, é necessário uma nova entrevista com a família, porém , não é necessário  que se refaça a Anamnese, esta nova entrevista deve colher informações sobre a história da família e do aluno  após a Anamnese anterior;

 

IMPORTANTE 

  Com o material completo, a coordenadora deverá agendar com uma das profissionais do setor um horário para atendimento, entregando o material pessoalmente, e já recebendo um feedback sobre tal encaminhamento.